domingo, 29 de agosto de 2010

Sintra Romântica numa Noite de Verão


Descrição: Percurso nocturno pela Serra de Sintra, tendo a Natureza, História, Poesia e Mistério como temáticas. 9 Kms percorridos com uma duração de 4 horas.
Dia e Hora: 21 de Setembro de 2010 às 21h00
Local de encontro: Almoçageme, perto da Praia da Adraga

Numa noite que adivinhava-se ventosa mas que felizmente não foi, lá cheguei eu a Almoçageme por volta das 20h30.
Após alguns conhecimentos feitos, comprovativos de pagamento entregues e conselhos/indicações fornecidos pelos monitores deu-se início ao passeio.
Partimos de Almoçageme em direcção ao Alto do Penedo.
Sabiam que Almoçageme significa "Virgem numa noite de núpcias" ? Giro ... não sabia ! Estamos sempre a aprender ... ;)

No Alto do Penedo, parámos num local estratégico ( com uma vista espectacular ) enquanto o monitor José Pedro Calheiros falou um pouco sobre o Romantismo, artistas associados ao movimento e qual a sua relação com Sintra.

O Romantismo que opôs-se ao Classicismo, focava-se numa necessidade de agradar ao eu, na natureza livre e selvagem, no bucolismo do campo e das aldeias.

Sintra romântica inspirou diversos autores nacionais e internacionais nomeadamente, Almeida Garrett, Camilo Castelo Branco, Bulhão Pato, Lord Byron, Hans Christian Andersen, entre outros ...

Destes, gostaria de realçar um excerto de Eça de Queiroz, um dos meus escritores preferidos.
Encontramos no oitavo capítulo de "Os Maias" descrições das paisagens, monumentos e ambiências de Sintra.
Ora leiam ...
"E, a passo, o breque foi penetrando sob as árvores do Ramalhão. Com a paz das grandes sombras, envolvia-os pouco a pouco uma lenta e embaladora sussurração de ramagens e como o difuso e vago murmúrio de águas correntes. Os muros estavam cobertos de heras e de musgos: através da folhagem, faiscavam longas flechas de Sol ..."

Após a "breve aula sobre Romantismo" prosseguimos a caminhada pela Aldeia do Penedo, onde ouvimos a declamação de um belíssimo poema popular de Fernando Badajoz ( poeta do Mucifal ) intitulado "Sintra", bem como a "Ode Triunfal" de Álvaro de Campos.

Passámos pela Quinta de Fora, contemplámos o místico Convento de Santana do Carmo e continuámos até à aldeia de Gigaroz, na qual deliciei-me a ouvir "Poema da minha natureza", poesia bucólica de António Gedeão e "O Guardador de Rebanhos" de Alberto Caeiro.

Depois da aldeia de Gigaroz, Gedeão e Caeiro, seguiram-se uma descida radical por uma vereda inclinada até Colares ( e aqui o bastão revelou-se um precioso aliado ), bem como uma paragem para descanso e reabastecimento no Largo de Colares Velho. Aqui, fomos até à Igreja onde ouvi "Adeus" de Lord Byron e emocionei-me com o ternurento poema "Amigos" de Vinicius de Moraes.
Não muito longe dali fiquei também a saber que a escola primária de Colares foi em tempos um castelo !
E com isto era quase uma da manhã e a caminhada aproximava-se do seu término.
E nada melhor que uma despedida a ouvir Florbela Espanca, umas das minhas poetisas de eleição ... ;)

Bem, adorei, adorei, adorei ... ;)
Já gosto de caminhadas e mais ainda quando aliadas a temáticas de poesia, história e mistério !

Segue-se a próxima que vai decorrer no dia 25 de Setembro de 2010 ! Baía de Ouro e Prata numa noite de Erotismo Poético ... caminhada nocturna pela Serra da Arrábida também com a natureza, história, poesia e erotismo como temáticas. Já me disseram que este passeio é de partir o coco a rir ... ;))) Inscrevam-se também em www.sal.pt !

PS: Quanto ao material, o bastão e a lanterna de cabeça revelaram-se muito úteis. Agora há que investir num calçado apropriado de qualidade ( talvez Solomon ) e não esquecer o boné para não magoar a testa. Ah pois é ... haviam de ter visto a marca com que fiquei ... ;) Foi como já disse em linhas anteriores ... estamos sempre a aprender e a descobrir coisas novas !

1 comentário:

Anónimo disse...

A imagem com a legenda Aldeia do Penedo não é de Sintra