domingo, 27 de dezembro de 2009

"Coco Chanel & Igor Stravinsky"

Coco Chanel & Igor Stravinsky
De Jan Kounen
França, 120 minutos
Site Oficial

Sinopse:
Em pleno ano de 1913, em Paris, Coco Chanel abriu uma loja e Igor Stravinsky estreou Sagração da Primavera, com coreografia de Nijinsky, tendo sido vaiado pelo público.
A estilista francesa assistiu a esse espectáculo, mas só viria a conhecer Stravinsky anos mais tarde, quando o compositor foi forçado a abandonar a Rússia, depois da revolução de 1917.
Coco Chanel, além de ser mecenas do compositor russo, convidou-o a mudar-se com a família para França, para a sua casa de campo, perfeita para os filhos e para compor em sossego.
A partir daí, inicia-se uma apaixonante e intensa aventura amorosa entre estes dois génios da criatividade, sendo supostamente neste período que a estilista descobre a fragrância do perfume Chanel nº5 e Igor Stravinsky apresenta uma nova versão de Sagração da Primavera.

A relação conturbada de dois dos maiores ícones da cultura do Séc XX, Coco Chanel e Igor Stravinsky, é o tema do mais recente filme de Jan Kounen, película de encerramento do último Festival de Cannes.

Achei simplesmente estonteantes os primeiros 15 minutos do filme, nos quais o realizador recriou o espectáculo de 29 de Maio de 1913, no Teatro dos Campos Elísios, em Paris, que foi, com a estreia de A Sagração da Primavera, sem dúvida uma das mais épicas noites da história da Música.
O delírio musical de Stravinsky, a alucinante coreografia de Vaslav Nijinsky e a amotinação de um público que, apesar da presunção parisiense, nunca foi dado a revoluções estéticas, foram registados de maneira eloquente pela câmara de Kounen.

Gostei imenso da personalidade forte de Coco. Mulher actual e desafiadora para a sua época, ainda que bastante egocêntrica.

Enfim, adorei este filme intimista, no qual as cenas dependeram pouco dos diálogos. Ao lidarmos com pessoas que navegam num mundo de sentidos, aprendemos a ouvir o que um vestido tem para dizer ou até a história que um quarto tem para contar ! ;)

Vejam aqui o trailer:

Kris Lewis

Intrepid Drift, Oil on wood

Red, Oil on wood

Weathered Oak, Oil on wood

Red Carnation, Oil on wood

Cory, Oil on canvas

Feather in your cap, Oil on board

Fire Tower, Oil on wood

Promise Broken, Oil on panel

Scintillating venuses, Oil on wood

Winterlast, Oil on canvas

Rose Zephyr, Oil on wood

Angeles Forest, Oil on canvas

With the Wind, Oil on linen

Fascinante a pintura de Kris Lewis !

sábado, 26 de dezembro de 2009

"O Ano do Pensamento Mágico"

Encenado por Diogo Infante, "O Ano do Pensamento Mágico" é um monólogo inspirado na história verídica da escritora e jornalista americana Joan Didion.
Uma história de perda e dor, que mostra a profundidade que só as grandes relações têm e reflecte sobre a doença e a morte, a probabilidade e o acaso, a saudade e o amor.
O ponto de partida é a noite de 30 de Dezembro de 2003, na qual Joan Didion e o seu marido, John, entram em casa depois de visitarem a filha Quintana, internada com uma infecção generalizada. Sentam-se para jantar e eis quando no silêncio que se instala, John morre de ataque cardíaco.

Foi assim que no passado dia 20 de Dezembro eu e a minha amiga Alexandra assistimos, no Teatro Nacional D. Maria II, a uma excelente interpretação de Eunice Munoz no papel da escritora já referida anteriormente.
Esta foi o epicentro a partir do qual o espectáculo desenvolveu-se, numa encenação construída à sua medida e que tirou partido da sua arte sublime.
A cenografia de Catarina Amaro incluía uma dimensão figurativa que ambicionava representar as sinapses de um cérebro ou as raízes da árvore de uma vida, mais do que o espaço físico que rodeava a actriz.

A narrativa, sem ser cronológica, apresentou-se-nos como uma amálgama de estados de alma, cosendo retalhos de memórias felizes com desejos desfeitos, numa sucessão de elipses, saltos e mudanças de tom.
O tema musical, composto por João Gil e interpretado ao piano por Ruben Alves, foi surgindo ao longo da peça, de forma a pontuar as diferentes emoções que preencheram o monólogo.

Enfim, ficámos emudecidas perante a interpretação simplesmente exemplar de Eunice Munoz. A sua perfeição é uma coisa que parece só se ganhar com a experiência, com o tempo.

Apenas a lamentar o final de tarde chuvoso e gélido que ainda assim não nos impediu de darmos uma 'corrida' até à famosa Confeitaria Nacional para bebermos uma apetecível chávena de chá ! ;)

Leiam aqui um belíssimo excerto sobre a dor da perda, retirado do livro "O Ano do Pensamento Mágico" de Joan Didion !

"Em Trânsito - Arte Postal"

Adorei a exposição Em Trânsito - Arte Postal, comissariada por Carlos Barroco e patente ao público até 15 de Janeiro no Museu das Comunicações.
Fiquei encantada com o trabalho de artistas plásticos, poetas e escritores que adoptaram os correios como meio privilegiado de comunicação artística.
Não percam esta mostra de uma forma diferente de comunicar com arte, através do correio em Portugal ! ;)



A Arte Postal movimenta-se numa rede de cartas, onde existe trocas de fotografias, selos, carimbos, objectos, colagens postais, envelopes, livros, pinturas, desenhos ... enfim, cartas elaboradas com preocupações estéticas.

Apesar das experiências dos futuristas, dadaístas, surrealistas, neodadaístas, artistas pop constarem como antecedentes históricos desta forma de comunicação artística, foram os membros do grupo Fluxus os impulsionadores da sua criação, sendo o ano de 1962 considerado o marco formal do seu surgimento, quando o artista neodadaísta americano Ray Johnson criou a "New York Correspondance School of Art".

Em Portugal, sobretudo a partir dos anos 80, vários grupos de artistas plásticos utilizam este meio para difundir as suas obras e trocá-las entre si e com artistas estrangeiros.


Embora a maioria deste movimento esteja ligado a artistas plásticos, ele é extensivo a poetas, músicos, arquitectos, fotógrafos e anónimos que encontraram neste meio uma maneira especial de expressão.

Na Arte Postal é de referir que as intervenções nas embalagens e envelopes têm um papel importante, completando e enriquecendo a mensagem dos conteúdos.

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

"Ágora"


ÁGORA
De Alejandro Amenábar
Espanha/Malta, 126 minutos

Sinopse:
"Século IV. No Egipto, sob o poder do Império Romano, violentos confrontos sociais e religiosos invadem as ruas de Alexandria. Presa entre paredes, sem poder sair da lendária biblioteca da cidade, a brilhante astrónoma Hypatia, com a ajuda dos seus discípulos, faz tudo para salvar os documentos da sabedoria do Antigo Mundo. Entre os discípulos, encontram-se dois homens que disputam o seu coração: o inteligente e privilegiado Orestes e o jovem Davus, escravo de Hypatia, dividido entre o amor secreto que nutre por ela e a liberdade que poderá ter ao juntar-se à imparável vaga de Cristãos."


Ágora, o mais recente filme do oscarizado Alejandro Amenábar, gira em torno não só da descriminação religiosa mas também da vida da filósofa Hypatia, admirada por um pensador maior como Sócrates e reconhecida como a primeira mulher dedicada ao estudo da matemática, filosofia e astronomia.

Nesta parábola sobre a intolerância, assistimos ao momento em que os cristãos deixaram de ser cordeiros sacrificiais e se arrogaram o direito ao poder, destruindo violentamente templos, deuses, costumes e leis.

Gostei particularmente das sequências protagonizadas por Hypatia ( professora de retórica fácil e curiosidade aguda que encantava e confundia os alunos com os elaborados problemas e conjecturas que propunha ), nas quais o desejo de saber confronta a tradição do ensino, da religião e da crendice; quando combate ideias feitas e tomadas por definitivas e quando, raciocinando sobre a posição relativa da Terra e dos outros planetas conhecidos em relação ao Sol, vê a luz e encontra o paradigma que vai mudar a ciência e o pensamento no meio do caos e da violência.

Muito bom este filme ... recomendo vivamente ! ;)

Vejam aqui o trailer:

Peter Lippmann












Descubra mais aqui sobre o trabalho espectacular do fotógrafo Peter Lippmann !
Adorei a sua criatividade ! ;)

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009