quarta-feira, 8 de julho de 2009

"As Cidades Invisíveis" de Italo Calvino









Senti-me a deambular por entre páginas de um verdadeiro Atlas de Sonho com "As Cidades Invisíveis" de Italo Calvino, o qual através de um discurso imbuído de metáforas e palavras labirínticas, inventa 55 cidades que vão sendo descritas pelo viajante Marco Polo ao imperador da antiga Tartária, Kublai Khan, em meados do Séc XII.
Gostei bastante deste livro ( consultar aqui a minha opinião de leitura ) que, na sua simplicidade é um bom exemplo do poder da palavra sobre a mente e de como a literatura pode fazer-nos viajar por mundos nunca antes vistos.
Neste sentido, não pude deixar de sentir-me 'deliciada' com o desafio extremamente aliciante que a artista americana Nora Sturges lançou a si própria: colocar na tela os cenários fabulosos da obra em questão.
Marco Polo surge-nos aqui como um turista comum, experimentando ambientes ora amigáveis ora hostis.
O estilo naif da pintora revela-nos universos imaginários embora vagamente reais, os quais encontram-se polvilhados de elementos enigmáticos e quase mágicos que transmitem um mistério e uma carga poética enormes - estranheza, exotismo, diferenças culturais ...

3 comentários:

K disse...

Excelente ligação entre o escrito e o visual...

Bjs

Anónimo disse...

Excelente, boa ideia para relaxar um pouco. G

pritislandscapes disse...

It is the creative potential itself in human beings that is the image of God.