sábado, 30 de agosto de 2008

Adegas Deslumbrantes







Quem aprecia vinho, sabe que não é apenas sacar a rolha e beber. Tudo o que envolve a magia da clássica bebida merece uma certa pompa. Da escolha do tipo de uva, da safra, o ritual de abrir a garrafa, as taças, os aromas, a espera por um momento especial, as pessoas que estão juntas, o local onde ele será degustado, enfim, beber vinho é uma verdadeira arte para muitos.

Seja por puro prazer, seja em ocasiões de negócios, nada mais simbólico que uma boa garrafa de vinho. Alguns hotéis, principalmente os mais luxuosos, sabem muito bem disto e é grande o esmero em oferecer aos hóspedes ou aos frequentadores de seus restaurantes, o que há de melhor, tanto em opções de rótulos, quanto em adegas de encher os olhos. Seja na Europa, seja na África, seja no continente que for, aqui deixo um pequeno apanhado de algumas das mais charmosas adegas de hotéis espalhadas pelo mundo. ;)

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Reflexões ...



« Para ver a grandeza de uma montanha, deve manter-se distância; para compreender a sua forma, deve deslocar-se à sua volta; para experimentar os seus humores, deve ser vista ao nascer e pôr-do-sol, ao meio-dia e à meia-noite, ao sol e à chuva, com neve e em tempestade, no Verão e no Inverno e em todas as outras as outras estações. Aquele que consegue ver a montanha assim, chega perto da vida da montanha ... uma vida tão intensa e tão variada como a de um ser humano. As montanhas crescem e decaem, elas respiram e pulsam de vida. Elas atraem e recolhem energias invisíveis em seu redor: as forças do ar, da água, da electricidade e do magnetismo; elas criam ventos, nuvens, trovoadas, chuvas, quedas de água e rios. Elas preenchem com vida activa o que as rodeia e dão abrigo e alimento a inúmeros seres. Tal é a grandeza das montanhas poderosas. »

Lama Govinda

sábado, 23 de agosto de 2008

Lightmark






Quando se conheceram, Cenci Goepel era pintor e Jens Warnecke cineasta de animação. A fotografia surgiu de certa forma a meio caminho entre estas duas actividades. Logo no início descobriram as subtilezas da luz, especialmente à noite, que afinal é mais luminosa do que aparenta ser. Depois do olhar se habituar à escuridão, há paisagens surpreendentes de brilhos, cores e contrastes para explorar e fotografar.

Cada fotografia é identificada pelo nome do local e pelas coordenadas. A ausência de título impede que seja atribuída à imagem qualquer tipo de significado para além do que aquilo que se vê e, assim, é a própria paisagem que nos cativa e convida a visitar o local à noite. Uma visita nocturna pode ser uma experiência muito especial. Alguns locais que durante o dia são desinteressantes ou agrestes, como o Vale da Morte, que foi fotografado, ganham novos contornos à noite. Tornam-se mais sossegados e surgem então aspectos que eram invisíveis à luz do dia.

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Auroras Boreais






É, de facto, bem simples: os átomos das camadas altas da atmosfera ao serem atingidos por qualquer feixe magnético ou radioactivo são ionizados, libertando energia que se manifesta sob a forma de cores. A diversidade cromática corresponde aos vários níveis energéticos. À semelhança do que acontece com quase todos os fenómenos naturais, a descrição fria e científica das auroras boreais ou austrais não lhes diminui a beleza. Foi essa a opinião do fotógrafo Norbert Rosing que realizou uma série de fotografias para a conceituada National Geographic.
As imagens, juntamente com muitas outras estão disponíveis em grande formato no site da National Geographic e podem ser usadas como wallpapers.

sábado, 16 de agosto de 2008

Russian Urban Art





Na Rússia, onde o inverno é longo e pesado, devido às condições atmosféricas é por vezes extremamente difícil ver o sol, mantendo-se o mesmo tom triste durante vários dias. Aliado a isto, o cinzento da arquitectura, por vezes também não ajuda, instalando-se um verdadeiro estado de depressão em muitas das pessoas aí residentes. Não vou falar de arquitectura ... simplesmente deixo-vos umas imagens que agradaram-me bastante dentro do conceito de arte urbana. ;)

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Hoje vou ao teatro ver ...


Teatro Nacional - Outros Palcos
Sonho de Uma Noite de Verão


William Shakespeare, autoria; Claudio Hochman, encenação;
Catarina Guerreiro, João Miguel Mota, Rita Cruz, Diogo Mesquita, Marta Queirós, Samuel Alves, Bruno Huca, Fernanda Paulo, Joana Carvalho e Pedro Pernas, interpretação.
Até 16 Ago
Ter a Sáb: 22h

O Teatro Nacional D. Maria II apresenta em parceria com o Instituto de Turismo de Portugal um programa cultural diversificado. Sob o título “Teatro Nacional - Outros Palcos”, a iniciativa inclui dois espectáculos de teatro e vários concertos em espaços alternativos da capital. Uma das peças é Sonho de Uma Noite de Verão, uma comédia de William Shakespeare, encenada pelo argentino Claudio Hochman, que recria um mundo onde reinam príncipes e princesas e por onde fadas e duendes se passeiam e fazem encantamentos. Tudo isto para se falar de amor. A história é contada através de trinta canções interpretadas por um grupo de jovens actores. Teseu, Duque de Atenas, vai casar-se com Hipólita, rainha das amazonas, e lança um concurso de teatro para animar a boda. Um grupo de artesãos concorre e vai para o bosque ensaiar uma tragédia. Aí habitam estranhas criaturas como Oberón, rei dos duendes, que para recuperar o amor de Titânia, rainha das fadas, pede a Puck que lhe arranje uma flor mágica que, esfregada nos olhos de alguém, faz despertar para o amor. Infelizmente, Puck põe o extracto da flor nos olhos errados e desencadeia uma sucessão de enganos.


Informações Úteis: 213 250 827/835 (Teatro Nacional D. Maria II)
Preço dos bilhetes: 10€
Espectáculo legendado em inglês e castelhano
Maiores 12 anos
Duração: 1h17 (sem intervalo)

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Dirty Car Art

As Mãos de Mario Mariotti






Há quem utilize técnicas sofisticadas para produzir arte. Isso faz, não raras vezes, com que confundamos arte com virtuosismo ou mera perícia técnica. No entanto, se retirarmos a complexa componente técnica podemos descobrir que, afinal, a arte pode ser bem simples e está literalmente ao alcance da mão. Este foi o entendimento do artista italiano, já falecido, Mario Mariotti.

Mariotti (1936-1997) experimentou diversas formas de expressão artística antes de descobrir as potencialidades plásticas das mãos. Os recursos utilizados eram quase mínimos e, não obstante, a sua imaginação era imensa e desconcertante. Com tintas, alguns adereços simples, como fios, palitos e botões, e as suas próprias mãos criou todo o tipo de figuras humanas e animais, simples, elegantes e expressivas. Poucos possuem o dom de transportar consigo a arte e, com um gesto de magia, no-la dar a ver na palma da mão, como o fez Mario Mariotti. ;)

sexta-feira, 8 de agosto de 2008

06 de Agosto ... No Jardim dos Sentidos




http://www.jardimdosentidos.com


" Um manjar dos sentidos ", segundo a minha amiga Xana e, nas minhas próprias palavras, uma verdadeira Ode aos sentidos ! ;)
Pois é, penso que estas 2 opiniões, espontâneas q.b., não poderiam exprimir melhor aquilo que achámos sobre o restaurante.


Eram 18.20 quando fui buscar a Xana, vinda de Cascais, à estação de Oeiras.
Pusemo-nos a caminho pela Marginal, sempre rindo e colocando algumas novidades em dia ! E que novidades ... ! ;)
Chegando a Lisboa, ainda andámos à procura de lugar para estacionar, mas desisti e deixei o carro no Parque Mayer.
Saindo de lá, são 5 minutinhos a pé até ao Jardim dos Sentidos na Praça da Alegria, mais concretamente na rua da Mãe de Água.

Entrámos, e reparando logo na pequena loja / mercearia do nosso lado direito, começámos a "cuscar" o que por lá havia ... Incensos, velas aromáticas, livros de receitas vegetarianas. ;)
Após uma "breve vistoria geral" ( diga-se de passagem, bastante positiva ... ambiente pitoresco, música com alguns laivos árabes, decoração simples, mas simpática ) sentámo-nos numa mesa no jardim exterior bastante sui generis.
Agradadas, reparámos numa tenda ali montada, supostamente para servir de local de celebração de rituais ... RITUAIS ?!? ... Sim, "rituais" de massagens de pedras quentes, bioenergéticas, ayurvédicas, entre outras experiências Zen.
O que já andavam a imaginar ? ;)

Prontamente, trouxeram-nos o menu, e tal como já tinha previamente decidido pedi como entrada cogumelos recheados com espinafres e queijos; prato principal, a "famosa" broa de milho e para beber uma bebida exótica não gaseificada, denominada Água de Rosas.
Por vezes, dou comigo a pensar que devo "sofrer" de algum tipo de obsessão ou sentimento de encantamento pelas rosas, porque já quando fui jantar aos Tibetanos pedi como sobremesa um inesquecível gelado de pétalas de rosa ! ;)
De qualquer forma, fiquei deliciada não só com a bebida em si, mas também com o design da lata, tanto que até a trouxe para casa.





http://www.roserush.com.sg/

Bem, mas prosseguindo ...

Os cogumelos ( 3 ) são muito saborosos e sempre forraram o estômago até à chegada da tão esperada Broa de Milho recheada. E digo-vos uma coisa, mas que especialidade vegan ... eu, que considero-me um bom garfo não consegui terminar o prato ! ;)

Prato esse, diga-se de passagem, muito bem guarnecido de salada vegan, milho, arroz basmati e, claro, a "célebre" broa recheada com tofu, cogumelos, nabiças, farinheira de soja, alho e muitos coentros.

Uma verdadeira maravilha ... !

Para sobremesa, escolhi o doce da casa e a Xana uma fatia de tarte de maçã e canela ... adorei o contraste entre o doce do chocolate, bolacha e chantily e o amargo da bola de gelado que acompanhou a minha iguaria.

Enfim, é um restaurante que recomendamos vivamente !

PS: Em Setembro, vou começar a frequentar cursos e workshops de cozinha vegetariana/vegan/macrobiótica ... já viram o que vai ser eu própria confeccionar em casa os meus pãezinhos de espinafres, empadas de tofu, rissóis de algas, and so on ... Nham, Nham ! ;)

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Yunak Evleri - Um Hotel nas Cavernas










A Capadócia situada no centro da Turquia é uma região que mais parece um cenário de filme de ficção científica. Com incontáveis formações rochosas, centenas e centenas de casas foram construídas, escavando-se as encostas ao longo dos séculos. Cidades inteiras, que lembram verdadeiros formigueiros, aparecem e escondem-se sob o chão. No interior das cavernas, igrejas cristãs ainda guardam frescos bizantinos.


O nome Capadócia, vem de "Katpatukya", que signfica "Terra dos Belos Cavalos". Com vastas planícies, grande montanhas e vulcões extintos, a região é perfeita para turistas ávidos por história e lazer.
O Yunak Evleri Cappadocia Cave Hotel fica em Urgrup e é uma luxuosa estrutura que inclui seis casas escavadas na montanha nos séculos 5 e 6 e ainda uma enorme mansão grega construída no século 19. O lugar além de ser perfeito para se hospedar, serve de base a incursões nas cidades subterrâneas e igrejas centenárias existentes nas proximidades.


As instalações do Yunak foram renovadas e reformadas, mantendo o trabalho original, mas recebendo tudo o que o conforto e as comodidades dos dias de hoje podem oferecer. No total são 30 quartos maravilhosamente decorados com objectos feitos à mão e antiguidades, muitas e maravilhosas antiguidades. Um labirinto de corredores e escadas de pedra, levam a ambientes incríveis no melhor estilo Otomano. Todos os quartos possuem pátios exclusivos com vistas espectaculares.


Os restaurantes oferecem iguarias de receitas seculares, mas sempre de altíssima qualidade e uma das opções incríveis é fazer as refeições ao ar livre, tanto nas áreas comuns como nos pátios exclusivos. É em ambientes externos que proporciona-se uma das visões mais impressionantes da região: o pôr-do-sol que lembra labaredas vermelhas de fogo. Uma sugestão espectacular para quem gosta de tradição e história, mas não abre mão de conforto e bom gosto.

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Podia ter começado melhor ...



Hoje de manhã apeteceu-me fazer algo diferente, e, saudosa que ando da Praia das Maçãs ( adoro aquela praia, o gelo da água, o rebuliço do mar, a fusão entre a serra e o oceano, o ambiente calmo e bucólico, ... ) arranquei no meu bolinhas e rumei até lá.
Olhando pela janela do meu quarto, o horizonte afigurava-se promissor ( nem imaginava o quanto ... ).
Toda contente, fui conduzindo pela Marginal, estrada do Guincho ( não podendo deixar de pensar nas noites quentes e calmas que, muito ocasionalmente, consigo passar no Bar do Guincho, bem como nas suas deliciosas tostas de salmão ) !
Aviso desde já, que hoje o meu discurso e pensamentos estão direccionados para os "pitéus gastronómicos"! ;)
Continuando a subir até à Malveira da Serra, localidade também famosa pela Pizzaria Tiffosi ( na qual aprecio bastante os seus deliciosos pãezinhos de alho recheados com queijo e bacon e a sublime Pizza Veneziana ) o horizonte transfigurava-se em nuvens negras e densas que ensombravam o topo da serra !


Nem consegui vislumbrar o Convento da Peninha ( local de eleição, a par com a Biscaia, quando sinto a necessidade de paz para ler, inspiração para escrever, calma para reflectir ou apenas sentir aquela sensação extasiante perante a magia de uma paisagem única ( ainda mais bela quando conseguimos estar lá à noite ).
Bem, continuei a minha peregrinação ( deixando no meu lado esquerdo a casa da Sofia e o Bar D. Quixote, mais conhecido por Bar do Moinho, ao qual vou com alguma frequência deliciar-me com a paisagem, o ambiente acolhedor e, claro está, os seus maravilhosos batidos de morango ) a cada Km mais desalentada com o mau tempo que se fazia sentir, até que cheguei ao destino.
Estacionei mesmo em frente à praia ( estava completamente deserta ) e constatei que não dava para lá ficar.
O mar estava agitado, tal como gosto, mas provavelmente teria menos frio lá dentro do que propriamente na praia.

Não querendo dar parte da manhã como perdida, e como não estava longe, rumei para a vila de Sintra, mais concretamente até à Piriquita ... imaginem lá com que intuito ... pois bem, 2 travesseiros para adoçar a boca ... Nham, Nham ! ;)

Enfim, regressei à minha terrinha e acabei por ir para a Pastorinha, na Praia de Carcavelos, a 5 minutos de minha casa ! Frustrante ...


Esperemos que o dia termine de melhor forma, até porque vou jantar pela primeira vez ao JARDIM DOS SENTIDOS, um restaurante vegetariano na Praça da Alegria que, acreditando no que me dizem, é muito bom.



Vamos ver ... já andei no site dele a espreitar o menu e acho que vou experimentar 2 das suas especialidades: cogumelos recheados com queijo e espinafres e a Broa de Milho recheada !
Depois conto como foi ! ;)